O TEMPO SITE 10 09 2017 EXATO.jpg

Ibama libera o cultivo comercial de macroalga em Santa Catarina

A notícia foi publicada no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira, dia 23 de janeiro.

Ibama libera o cultivo comercial de macroalga.jpg

O setor da maricultura do litoral catarinense está em festa. Depois de mais de uma década de estudos e pesquisas, está liberado no estado de Santa Catarina o cultivo comercial da macroalga Kappaphycus Alvarezii. A notícia foi publicada no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira, dia 23 de janeiro. Através da revogação da Instrução Normativa nº 185, de 22 de julho de 2008, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), permitiu o cultivo de Kappaphycus Alvarezii no litoral de Santa Catarina. Até então, tal permissão só era concedida aos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Desde o início desta legislatura, o deputado Jair Miotto (PSC) uniu-se a esta causa e, juntamente com a secretaria de Estado da Agricultura, Epagri, UFSC e com o setor da maricultura, teve iniciativas que contribuíram para a liberação do cultivo comercial da macroalga em Santa Catarina. "Percebendo que a liberação viria como uma importante fonte de renda para os maricultores do Estado, sob minha presidência, formamos uma comissão mista formada pelas comissões de Economia, onde também sou presidente, e pela comissão de Pesca. O objetivo da comissão mista foi acompanhar a revisão da Instrução Normativa nº 185/2008, visando é incluir o estado de Santa Catarina como área autorizada ao cultivo comercial da macroalga Kappaphycus Alvarezii. E agora, depois de reuniões, documentos encaminhados aos setores envolvidos, articulações junto as esferas federais, o cultivo comercial da macroalga é uma realidade em Santa Catarina", comemora Miotto.

 

A MACROALGA

Segundo o pesquisado da Epagri, Alex Alves dos Santos, a macroalga produz a carragenana, usada como espessante pelas indústrias farmacêuticas, cosmética, química e alimentícia. Só em 2016, o Brasil importou 2,5 mil toneladas de carragenana, principal subproduto da macroalga, ao custo de 16 milhões de dólares. “Com a liberação da atividade econômica pelo Ibama, a produção catarinense poderá ser colocada em prática dentro de um ano e meio, para ter tempo de produzir a biomassa e repassar aos agricultores. Atualmente, há pelo menos 40 maricultores interessados em ingressar na atividade econômica", destaca Santos.

 

 

FOTO

Deputado Jair Miotto presidiu comissão mista que buscou a liberação da macroalga

Crédito: Fábio Queiroz/Agência AL

Imagens

mais sobre:

macroalga

Contatos